[Entrevista] País precisa reduzir gargalos até os portos

Discussões sobre transporte ferroviário brasileiro em geral.
Avatar do usuário

Autor do tópico
Renanfsouza
COORDENADOR
Mensagens: 2507
Registrado em: 05 Jun 2008, 10:54
Localização: Rio de Janeiro/RJ

[Entrevista] País precisa reduzir gargalos até os portos

Mensagem não lida por Renanfsouza » 22 Jul 2009, 09:41

Para o Brasil crescer ainda mais, é necessário garantir condições para um escoamento adequado da produção nacional. Mas enquanto os portos forem afetados pelos problemas do transporte terrestre essa realidade continuará distante. A avaliação é de Cristiano Prado, economista e gerente da área de Infraestrutura e Novos Investimentos do Sistema Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), em entrevista ao PortoGente.

Na primeira parte da entrevista, Prado destaca que é necessária "uma maior atuação do governo na redução dos gargalos de acesso. A consolidação de um sistema eficiente de transporte de contêineres passa pela qualidade do acesso aos terminais intermodais, tanto portuários quanto ferroviários". O segundo trecho será publicado na próxima terça-feira (21).

PortoGente - Como a Firjan trata o modal de transporte (ferroviário, rodoviário e portuário) do estado?

Cristiano Prado - O Rio é um estado de logística. Temos uma posição logística privilegiada, já que 50% do PIB nacional se encontram em um raio de 500 km da cidade do Rio de Janeiro. O transporte, em todos os seus modos, é, portanto, uma das principais forças econômicas do Estado do Rio de Janeiro. O Sistema Firjan entende que a logística é um fator de desenvolvimento econômico essencial no estado e o pleno desenvolvimento do Porto de Itaguaí, a construção do Porto do Açu, a construção do Arco Metropolitano e os demais investimentos irão reforçar, ainda mais, essa importância para a economia fluminense.

PortoGente - O modal de transporte no Brasil, em especial os do Rio de Janeiro, está em boas condições para competir com os portos internacionais e o comércio exterior?

Cristiano Prado - O Rio de Janeiro possui diversos portos com características diferenciadas que atendem não só o estado, mas também Minas Gerais, com sua malha ferroviária e rodoviária os interligando ao resto do País. Ressalto a competitividade do Porto de Itaguaí ? com potencial de se tornar um hub port para a América Latina - e do Porto do Açu, ainda em construção, mas que será um dos portos mais modernos e competitivos do Brasil. Entretanto, existem elos faltantes que precisam ser eliminados e investimentos que precisam ser feitos para aumentar, ainda mais, a competitividade portuária. Exemplos de elos que estão sendo atacados são a construção do Arco Metropolitano, as dragagens que estão sendo feitas ou que já estão programadas, a melhoria dos acessos ao porto do Rio. Outros gargalos ainda precisam ser enfrentados como a melhoria do acesso ferroviário e rodoviário ao Porto de Angra, a religação em bitola estreita no Porto do Rio e a reativação do ramal ferroviário no contorno da Baía de Guanabara, de forma a garantir o contínuo ganho de competitividade que os empresários precisam. Em termos de Brasil os portos em geral estão necessitando de grandes investimentos de aprofundamento dos acessos, dragagem, ampliação de suas retroáreas e melhorias nos acessos terrestres rodoviário e ferroviário. Temos grandes desafios pela frente.

PortoGente - Quais os pontos frágeis dos portos do Rio de Janeiro e nacionais?

Cristiano Prado - Existem três grandes focos a serem atacados. O mais grave não está dentro dos portos, mas em seu entorno: os acessos terrestres. A maioria dos portos está localizada em áreas urbanas e isso cria sérios problemas para a movimentação de cargas, especialmente rodoviária. Esse gargalo provoca sérios prejuízos e precisa ser atacado imediatamente para termos uma melhora, significativa, no prazo de três a cinco anos, quando as obras estiverem concluídas. É preciso criar corredores especiais de acesso aos portos ou então ampliar a capacidade viária nas proximidades para que a concorrência do transporte de cargas com o tráfego urbano não cause problemas para ambos, como ocorre atualmente. O segundo grande problema está ligado à burocracia portuária e dos serviços de apoio. É preciso regulamentar o multimodalismo, reduzir a necessidade de procedimentos aduaneiros, dos setores e subsetores que sofrem fiscalização (atualmente são mais de mil) para aqueles estratégicos, como por exemplo, agropecuários, tecnológicos e fármacos. O terceiro problema é estrutural: os portos precisam ser modernizados, terem seu calado aumentado para receber os navios modernos, e há a necessidade de um programa de dragagem permanente.

PortoGente - Como a Firjan vê a expansão do Canal do Panamá para o incremento do setor industrial do Estado do Rio de Janeiro?

Cristiano Prado - Para o comércio exterior com a Ásia, a expansão do Canal do Panamá é vital e vai permitir maior acesso à Costa Oeste americana. Nesse sentido, traz benefícios indiretos já que os Estados Unidos são um grande parceiro comercial do Brasil. A expansão vai de acordo com a tendência observada no mercado naval de construção de uma nova geração de navios, maiores e de maior calado, essencial para a redução do custo logístico. Diretamente, entretanto, os efeitos da expansão demorarão um pouco mais a serem sentidos já que o tráfego de navios maiores irá demandar obras de adequação nos portos brasileiros, em especial de dragagem e ampliação dos berços. Temos que iniciar os investimentos o mais cedo possível, o futuro da logística naval está nos grandes porta-contêineres que já estão sendo construídos.

PortoGente - Quais são os portos que as indústrias do estado mais utilizam para movimentar mercadorias? A maior parte fica concentrada nos portos cariocas? Há cargas direcionadas para portos de estados vizinhos, como Espírito Santo e São Paulo?

Cristiano Prado - As indústrias do Rio utilizam, prioritariamente, os portos do Rio de Janeiro em suas exportações, assim como as indústrias de Minas Gerais. Os portos mais utilizados são o Porto de Itaguaí e o Porto do Rio de Janeiro, este último com um perfil mais focado em cargas de maior valor agregado. É claro que existem determinadas cargas que acabam sendo escoadas por portos de outros estados, a depender de suas características, mas o padrão é que elas saiam pelos portos do Rio. Essa tendência será ainda mais reforçada após a entrada em operação do Porto do Açu, em 2011.

PortoGente - O Brasil conta com terminais especializados. Quantos, especialidades e localidades, são no Rio de Janeiro?

Cristiano Prado - O Brasil possui um grande número de terminais especializados e outros tantos estão em fase de implantação ou estudos. No Rio de Janeiro podemos citar no Porto de Itaguaí os terminais de minérios, de carvão, de contêineres e da Valesul Alumínio; no Porto do Rio de Janeiro os terminais de contêineres, de produtos siderúrgicos, de veículos, papeleiro, de açúcar, passageiros, de granéis líquidos e de combustíveis; e em Niterói os de produtos offshore. Ressalto, novamente, a importância do Porto do Açu, que começará operando com minério de ferro, mas, possui previsão de construção de diversos tipos de terminais.

---

Fonte: Porto Gente (17/07/2009)
Central-Caxias: 1:30 de trânsito pela Linha Vermelha. Ou 29 minutos pela Supervia.

Avatar do usuário

Vicente
MODERADOR GLOBAL
Mensagens: 2533
Registrado em: 12 Set 2008, 23:57
Localização: São Bernardo do Campo

Re: [Entrevista] País precisa reduzir gargalos até os portos

Mensagem não lida por Vicente » 22 Jul 2009, 11:52

Renan, a matéria é válida, mas só está dando um dos papéis da ferrovia: o de corredor de exportação, levando commoditties a granel aos portos. Quando muito, trazendo itens importados...
Temos que ter, além de ligações eficientes aos portos, ligações internas entre pólos de produção e consumo. Só assim, teremos uma malha eficiente e uma redução de acidentes rodoviários que tanto causam prejuízos sociais e econômicos.
Cara, eu vejo aqui em SP a antiga EFSJ, a cremalheira operando "no talo", empresas à beira da ferrovia que não a usam... É difícil, pois há conflito de uso entre cargas e passageiros nas linhas 7,10 e 12 daqui. Isso poderia ser resolvido se MRS, CPTM e o Governo Federal se entendessem. Mas sabemos que há rusgas de relacionamento entre as partes e às vezes, questões contratuais que travam as soluções.
Precisa-se urgentemente de expansão de malha, de material rodante, e de centros logísticos rodoferroviários ao longo das vias, onde poderemos ter integração de trens de carga geral às ferrovias. Isso aumentaria- muito- o tráfego da carga geral, o que é interessante para desafogar as rodovias.
Também é necessário que seja feita manutenção adequada das vias , para permitir velocidades maiores de tráfego. As concessionárias possuem problemas de furtos de cargas e lonas de proteção em muitos trechos, devido a isso. Para se ter ideia, em alguns locais onde há tráfego de containers, eles são postos com as portas viradas "para dentro" para impedir arrombamento.

Responder Exibir tópico anteriorExibir próximo tópico

Voltar para “ARTIGOS, NOTÍCIAS E TEXTOS”